quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Até Onde Posso Ir?


Podes ir onde quiseres. Qualquer sítio que exista. Ou que exista somente na tua imaginação. Mas esses sítios podem mudar mal desças do autocarro. Porque quando os criaste eram apenas uma imagem. E assim que desces são reais tanto quanto podem ser. E a tua imaginação começa a trabalhar demasiado rápido, sem que te apercebas, para criar o que falta. Pode haver lapsos. Também podes andar no tempo. Para o passado. Para o presente. Para situações que viveste. Para o futuro. Como o imaginas. Como te dizem que vai ser. Podes ver o que te vais tornar. Ou o que achas que te vais tornar. Podes escolher ser visto quando sais do autocarro. Mas também podes escolher ser invisível. E podes ver o mundo pelos olhos de outras pessoas. Ver o que sentiram. O que disseram. Mas aqui nunca vais poder estar presente, serás invísivel. Podes ver a alegria que deste. A dor que causaste. Mas nunca poderás interferir. 

3 comentários:

melody disse...

Ai T... Porque é que não vinha ao teu blog há tanto tempo...? Tinha saudades disto, destes textos que me deixam a pensar tanto...

E disse...

Não vinhas porque tinha outras coisas mais importantes e interessantes ;) Aqui isto continua muito low profile ;)

Mas fico sempre contente com a tua visita. Vi que foste a Amestardão e gostaste. Muito bom não é? Cidade pequena mas muito gira.

melody disse...

Continua óptimo e cheio de textos deliciosos.

Gostei, mas gostei mais de Wageningen, a cidade onde fiquei antes. Apanhei dois dias bem cinzentos em Amesterdão e acho que isso cortou-me um pouco o encanto pela cidade. Mas claro, é impossível não gostar daquela cidade!