terça-feira, 10 de setembro de 2013

Luzes, Acção, Silêncio Que Estamos Na Mais Bela Praia... Merda!

É o que dizem algumas revistas. Espanholas, pelos menos. E isso explica os tipos de câmera e microfone que andavam de calças e sapatos pela areia. O que era uma treta. Queria ler em paz. Mergulhar em paz. E não queria estar num angulo da merda da câmera. Domínio publico, bem sei. Afinal, sou jurista. Mas quando elas tapam as mamas e eles encolhem as barrigas deviam ter percebido alguma coisa.

Coloquei os wayfarer. Aumentei o volume dos auscultadores e fiz play no iPhone. O novo de Arctic Monkeys. Continuei com Henry Miller e o Trópico de Câncer.

Uns capítulos mas à frente pousei o livro. Apeteceu-me comer qualquer coisa. E enquanto comia as câmeras estavam lá em cima. Merda para as notícias. O ano passado a praia em Setembro tinha 20 pessoas. Agora são 40. Depois pensei, isto talvez seja as filmagens de um filme ou serie. Não eram, mas a minha imaginação nunca precisa de muito. Afinal, estava a ler Henry Miller. E bem poderia ser  a versão do Sexo E A Cidade versão para tipos. Tipos, tipos. E eu sei lá o que são tipos, tipos sem cair em preconceito. Mas isso não interessa. Ontem à noite rebolava nos lençóis e fazia zaping sem sono. E mais uma reposição da Carrie e amigas. Sapatos, Nova Iorque e gajos. Era uns dos primeiros episódios. Logo havia bancários de investimento e traders. Os elegíveis, que todas elas queriam. Mais os sapatos de centenas de dólares e a eterna questão: casa na City ou nos subúrbios? Por isso, a versão para tipos, tipos.

Como poderia ser mais diferente, hei, Henry Miller?

"Merda, se ela fosse dez anos mais nova"
"O que faria com uma cabra rica nas mãos? Não sei disparar. Tenho medo de espingardas e essas coisas"
(In Trópico de câncer)

Para elas a serie tem glamour. E eu percebo, é uma boa serie. Para tipos, tipos, tem... Faço lá ideia. Mas tem miúdas, mais novas. Tem de ter miúdas mais novas. Isso é o que diria a mulher que está à beira mar e acabou de dar uma chapada no ombro do tipo com quem está porque olhou para a miúda de mamas ao léu e asa delta - alguém a devia avisar que hoje há câmeras na praia.

Mas porque tem de haver miúdas mais novas por culta delas. E tudo começou no quinto ano. Quando começaram a olhar para os tipos mais velhos. Aqueles que tinham 16 anos e tinham DT's e Aceleras. E o que deixava aos outros? As mais novas. Anos depois a tendência mantém-se. Por isso, a serie para tipos, tipos tem miúdas mais novas. E sabemos porquê. Quando começou a tara à volta dos sapatos? Pois é...

Volto para Henry Miller. São quatro da tarde e a praia está deserta. Agora sim. O sol esconde-se nas falésias e as pessoas foram-se. Não há mais câmeras.

6 comentários:

O carteira vazia disse...

lol brutal. esta interpretação deste dia de praia está genial. :) passei para visitar e gostei do teu blog, vou ficar. seguidor.

http://ocarteiravazia.blogspot.com/

Sue disse...

O titulo resumo na sua essência resume muito bem o porque de gostar de tudo o que escreves :) E por falar em porquês... já estou a ver um a caminhar na minha direção... :P

Carol disse...

O tempo das DT's! Devia ser proibido filmar na praia, tenho dito.

E disse...

Obrigado :)

E disse...

Conquisto com um simples titula...

E disse...

Éu no ado constrangedor. Principalmente quando vais ha anos e Depois tens la imensa gente e equipas de reportagem