segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Conversa Via Internet Com A Minha Mãe

Somos, e seremos, um produto de uma educação a dois. Se tivermos sorte, claro. Sou feliz nesse aspecto. Em minha casa havia a Vogue da minha mãe. Sartre do meu pai. Mas nada disso se falou quando via o rosto da minha mãe no ecrãn do portátil. Desde que descobriu as chamadas via internet com som e imagem não quer outra coisa. Como se assim soubesse que sou eu que ouve. Vê-me mexer os lábios e sente-se mais perto. Mas naquele dia a imagem servia para me mostrar uma palete de cores. Qual é que gostas mais? perguntou-me. E eu disse. Ela diz que era a que esperava que eu escolhesse. Porquê? E antes de me responder diz que é a cor da imagem que viu. Volto a insistir - herdei da minha mãe um curiosidade quase infantil e do meu pai um pragmatismo inervervante - porquê? Vou enviar-te um e-mail, diz-me como resposta.  Fiquei supreendido com a capacidade de estar a falar comigo, enviar-me um e-mail com a resposta à minha pergunta e nesse e-mail vir um link. Era para uma página do site Mr Porter. Vou fazer-te uma, disse-me. Obrigado, agradeci, é gira. De nada. E já sei o que receberei daqui a umas semanas





1 comentário:

melody disse...

Quem tem uma mãe assim, tem tudo! :)